PokerPT.com

Bryn Kenney acusado de muita batota e não só…

22/04/2022
Luís Sousa

Primeiro foi Foxen a acusar Imsirovic de batota, agora é Martin Zamani a acusar Bryn Kenney, David Miscikowski, Mark Herm e Sergi Reixach de pertencerem a um culto de batoteiros comandado pelo líder da All-Time Poker Money List. A história deste ex-cavalo de Kenney é impressionante e vale a pena escutar as suas palavras no vídeo abaixo com Doug Polk, principalmente porque diz ter provas de tudo o que acusa.

Tudo começou no Twitter, como tem sido a norma:

Polk estava atento e conseguiu convencer Zamani a gravar tudo em vídeo para a posteridade, mas não sem antes uma ameaça:

Polk decidiu ignorar Kenney e a internet ganhou uma acesso sem precedentes ao círculo dourado do líder da All-Time Poker Money List:

Abaixo retiramos o sumo das revelações de Martin Zamani sobre Bryn Kenney, batota e mais acontecimentos estranhos, aconselhando vivamente a escutar tudo pela “boca do cavalo“.

O definitivamente proibido

A história deste começa com a transição de um backer criminoso para outro, alegadamente, com Bryn Kenney a alocar Zamani no grupo de cavalos mais “intensivo”, aka forçados à batota. Estes tinham uma liberdade limitada, desde alimentação a actividades físicas, e eram controlados uns pelos outros, criando um ambiente tenso entre, por exemplo, Zamani e Miscikowski. Todos eram obrigados a emparelhar em deep runs, com este back-sit gaming a abre a lista de batota de Kenney e seus cavalos:

  • Ghosting: presencialmente ou via chamada, a estrutura em pirâmide de cavalos e backers facilitou o sistema de “big bro” em todas as deep runs. Obrigatório!
  • Multi-accounting: Lauren Roberts terá informado Zamani que Kenney jogou na sua conta.
  • RTA: Sergi Reixach foi o visado, com este a ser nomeado como o “senhor do laptop” numa deep run de Zamani.

Pouco ético & imoral

Todas as infracções acima são puníveis e deve ser investigadas seriamente, com a GGPoker a estar no centro mas a não estar sozinha. A ligação entre Kenney e Cary Katz tem que ser analisada, com a conta partypoker do senhor PokerGO a ser utilizada por todos os cavalos de Bryn Kenney durante um festival do operador nas Bahamas, para todas as entradas, reentradas e pagamento de prémios. PokerGO que optou por, para além do silêncio no caso Imsirovic, convidar o bósnio para o $25K PokerGO Tour Heads-Up Showdown.

A relação com Lauren Roberts é das mais reveladoras da forma como Kenney encara o seu mundo e aqueles que nele vivem. Fã do jogo e rica noutros mercados, Lauren foi explorada até ao tutano. Segundo a internet, perto de $2 milhões foram depositados por esta na sua conta “He22” da GGPoker, que exclusivamente disputava os $5K, $10K e por ai fora e as instruções para todos os cavalos eram: se He22 está no field, todos têm que estar no field. A forma predatória como limpou a banca desta para brincar ao poker contrasta com o tremendo afecto público entre Kenney e Roberts.

O sistema de agente da GGPoker parece estar sobre o controlo total de Bryn Kenney, pelo menos os seus “descendentes”, com poder de aglutinar e retirar a Zamani a conta de agente que ele recheou com centenas de jogadores novos.

Estranho & esotérico

Dietas forçadas, regimes de exercício físico e uma vigilância apertada do dia-a-dia dos cavalos podem ser mais ou menos normais, dependendo do contexto e ambiente. Mas a forma orwelliana como Zamani descreve o ambiente, com espiões nas trincheiras e consequências imediatas revelam uma liderança ditatorial. O estilo de liderança evolui de ditador para deus de culto com as histórias das aventuras com a shaman, desde os sapos venenosos ao ácido nos olhos, e psíquicos com truques baratos. Zamani teve a força individual de resistir ao Kambo e outras vigarices mas revela que alguns saíram da experiência terrível experiência com marcas para a vida.

Todos os nomes

No Twitter e na entrevista acima, Martin Zamani pintou um cenário onde Bryn Kenney se torna no super-vilão da batota, mas há mais nomes na sua mira. Eis todos os que a internet soube via Zamani:

  • Bryn Kenney
  • David DonkCommitted Miscikowski
  • Mark Dipthrong Herm
  • Sergi Reixach
  • Idris Ambraisse
  • Joseph B3ndTheKnee Liberta
  • Alex El Internado Balaguer
  • Drew BigPavelski Soik
  • Jeffrey ShipitFedEX Dobrin
  • YoSoyTodo

Felizmente, nomes nacionais não parecem estar envolvidos mas há um nuestro hermano que fica com a reputação muito manchada. Tanto Sergi Reixach como Joseph Liberta responderam às acusações, o segundo no twitter:

O espanhol aos nossos colegas da Poker-Red:

Poker-Red: Olá Sergi, como estás? Como recebeste as acusações de Martin Zamani?
Sergi Reixaxch: Olá, como podem imaginar não estou muito bem. O Martin é um tipo muito peculiar e não gosta nada de mim. Temos muita história entre nós e já me ameaçou em mais do que uma ocasião, chegando a desejar-me morte.

PR: Como é que chegou a esse ponto? Foi logo desde que se conheceram no México?
SR: O Martin viviu no México com mais cavalos de Bryn. Eu dava-lhes coach com PioSolver e também proporcionei soluções préflop que fiz com MonkeyViewer. O que se passou é que me odeia porque o Bryn o cortou da stake depois da sessão de coaching e ele culpa-me por isso.

PR: O que nos podes contar sobre as acusações de que foste banido da GGPoker por usar RTA?
SR: Posso dizer que são mentira e que me baniram da GGPoker por usar tabelas préflop, como muitos outros. Como te disse, eu dei-lhes coach com PioSolverde e proporcionei algumas soluções préflop, talvez isto para ele serja RTA, mas não acho que tabelas préflop sejam RTA. E não uso PIO enquanto jogo, nem me viu jogar com PIO.

PR: Então o que é a RTA que ele diz que deste a cavalos do estábulo?
SR: Tem que ser as soluções préflop que lhes proporcionei através do MonkeyViewer ou as soluções que mostrei do Holdem Resources, porque não lhes dei nada mais. Simplesmente passei as tabelas préflops com distintos tamanhos de stack, mas isso não é RTA.

PR: Ajudaste numa FT como ele conta?
SR: Isso é verdade. Pediu-me ajuda numa deep run de um torneio importante. Eu estava a jantar com a minha namorada e quando terminei fui ajuda-lo. Joguei com ele só três mãos e perdeu. Este é outro motivo para me ter tanto ódio.

PR: O que podes contar sobre o grupo de espanhóis que acusa de collusion?
SR: As acusações de collusion entre jogadores espanhóis é obviamente mentira. Todos os espanhóis que jogam high continuam a jogar na sala, se tal fosse verdade estaríamos todos banidos e só me baniram a mim, como te disse por tabelas préflop.”

Muitas acusações de vários tipo de batota, várias muito sérias, que precisarão de respostas e investigação e com Bryn Kenney à cabeça. Martin Zamani diz ter guardado todas as conversas entre ele e Kenney e estas terão que ser verificadas para avaliar a veracidade das acusações. Uma resposta da GGPoker, de Bryn Kenney, de outros visados também seria importante para conseguir apurar a verdade e tentar excomungar apenas os bandidos do nosso universo.

100 Jogadas Grátis no Registo + Aposta sem Risco até €20 + 100% até €500

Sem Comentários



Deixe um Comentário