PokerPT.com

Zumy, The Maniac Hurricane

O final do Heat 5 do PokerStars World Cup of Poker tem um sabor “agri-doce”, palavras de Greg Raymer, para todos os portugueses. O sonho terminava da maneira mais inesperada.

O dia começou com o Heat 4, com Luís “Guto” Freitas a defender as cores nacionais. Com uma postura conservadora, seguiu instruções da equipa e geriu a sua posição e stack de forma a somar o maior número de pontos possíveis e evitar uma eliminação precoce. Aos poucos os jogadores foram saindo e Guto manteve a sua calma. Após um timeout, requerido pelo Capitão Spxdes, Guto entrou em modo pressure e alterou o estilo de jogo, assumindo a postura desejada pela equipa. Começou a roubar blinds, pressionar stacks dos adversários e a sua própria stack foi subindo. Quando se encontrava Under The Gun recebe , vai all in e Tyler Netter, um dos maiores profissionais da PokerStars, pois passa grande parte do ano nos lugares de topo da Tournament Leader Board, faz call com . Um no flop foi suficiente para arruinar a progressão de Guto que terminou em 5º lugar, acumulando 5 pontos para a equipa portuguesa.

A Selecção sabia em antemão que resultados teriam de alcançar para passar às finais. Teriam de eliminar os EUA numa posição inferior a 5º e pontuar mais que a Islândia, Alemanha e a Irlanda. A estratégia montada passava por uma agressividade acima da média e atacar sempre a stack de Shaun Deebs, o jogador americano.
Nuno “Zumy” Coelho começou a distribuir magia, agressivo, provocador e ditador da mesa. Ele mandava e arruinava.
Logo nas primeiras mãos o jogador da Roménia era eliminado, não prejudicando as contas mas indirectamente colocava os EUA com mais um ponto. Os poucos portugueses a apoiar faziam a festa e puxavam por Zumy como nunca, sendo a claque mais barulhenta de todo o evento.
Na última mão antes de jantar Hector Rodriguez, do México, lança uma ficha de 500 sem anunciar raise e ficou decidido call. Zumy no cut off faz call com . O flop sai . O mexicano dispara 300 e Zumy faz call. Sai um onde Zumy manda 500 e o Mexicano faz raise para 2000. Zumy vai all in e recebe call. O mexicano mostra e estava drawing dead. Zumy tinha o straight e o flush draw. O river ainda saiu uma espada para confirmar a delapidação da stack do Mexicano que ficou reduzido a 420 fichas.

Logo de seguida há o intervalo de jantar onde Zumy e Spxdes não se juntaram à equipa. Decidiram ficar a ver a transmissão online e discutir a estratégia a seguir.

Nas primeiras mãos após o jantar, com os EUA na nossa mira, Zumy coloca Deebs all in e este faz call virando contra o de Zumy. A board trouxe e o americano dobrava à custa de Zumy. Este foi o ponto fulcral de todo o torneio, quase consumando a eliminação de Portugal da prova.

Zumy continua a acção desenfreada e quando Mick McCosley vai all in, o mexicano decide fazer call e Zumy com faz call com o intuito de triplicar a stack do Mexicano, colocando numa mão superior à sua. Tal não foi verdade e a board também não facilitou. Logo no flop Zumy ficou em flush draw com um par. O turn trouxe um “maldito” que ditava a vitória na mão, a eliminação de 2 jogadores e, por si só, a eliminação de Portugal da final do World Cup of Poker. Com esta situação, os EUA já pontuavam o suficiente para ser impossível, mesmo com a nossa vitória, a qualificação para o dia seguinte. Apesar do desgosto sentido por todos os membros, Zumy não ficou abatido e continuou a mandar na mesa.

Depois de muita pressão, raises e re-raises, Zumy acaba em Heads Up com o jogador da Islândia. Um , com slow play à mistura, foi suficiente para o islandês colocar-se all in num flop de carta mais alta. Estava em flush draw mas o aguentou-se e Zumy garantia os insuficientes 15 pontos de primeiro lugar e os $5.000.

Apesar da derrota/vitória, Nuno Coelho sai do WCP com a alcunha de Maniac e Hurricane, atribuídas pelos comentadores da PokerStars que o consideraram “o mais louco jogador de Poker do planeta”. Foram inúmeros os elogios que vieram na direcção de Zumy, na Internet com toda a comunidade rendida ao nível do seu jogo e a aplaudir, mas também localmente por Lee Jones, Greg Raymer e especialmente por Daniel “Kid Poker” Negreanu. De certeza que este vídeo vai ficar gravado na memória de muitos portugueses, em especial de Zumy e de toda a equipa portuguesa.

Para o ano estamos cá, para levar o caneco para casa.

Good game, Portugal.

Partilha esta notícia

Sem Comentários



Deixe um Comentário

Os comentários efectuados por utilizadores não registados terão de ser aprovados por um moderador. Pode fazer Login ou, se ainda não é membro, Registar-se de forma a poder comentar sem moderação.


7 Setembro, 2007 Eduardo Sem Comentários