PokerPT.com

TDA – as novas regras

A Tournament Directors Association e a sua lista de regras para torneios ao vivo é a mais utilizada por esse mundo fora. Em Portugal foi o primeiro documento base para o Director de Torneios e ainda hoje rege as linhas dos maiores torneios nacionais. Eis alguns ajustes e alterações às regras.
 
Muitas das alterações efectuadas não têm impacto nos jogadores, seja melhoramentos no texto ou detalhes que não são relevantes para o decorrer normal do jogo, nem para o staff nem para os jogadores. Vamos deixar essas de parte e concentrarmo-nos nas alterações que terão interferência directa na acção das mesas.
 
Regra 2: Responsabilidades do jogador
 
O mais recente ponto adicionado a esta lista parece irrelevante mas não o é. “Pedir tempo” era uma opção que o jogador tinha na mesa e esta é agora uma “responsabilidade”. Esta alteração, mesmo que semântica, remove as naturais situações de “vergonha” ou “timidez” do jogador e até o protege, pois este tem agora a “responsabilidade” de “pedir tempo” quando necessário.
 
Regra 3: Terminologia oficial
 
Novo na lista que “os jogadores têm que ter cuidado com os gestos quando a acção está neles; bater na mesa é um check.”
 
Esta regra, agora assim escrita, fornece aos jogadores um enquadramento onde têm que ajustar os gestos que fazem durante uma mão. A falta de cuidado de uns pode agora ser aproveitada pelos “mais atentos”, forçando os mais distraídos a passar a vez sem intenção.
 
Regra 12: Declarações. Cartas falam no showdown
 
“Qualquer jogador, na mão ou não, deve apontar se vir um erro feito na leitura das mãos ou na entrega do pote.”
 
O que tem sido até agora uma questão de ética é agora uma regra. Claro que se continua a precisar que o jogador “dê conta do erro” para o apontar, mas a opção de ficar em silêncio não existe nas regras.
 
Regra 13: Showdown de cartas e “matar” a mão vencedora
 
“Um jogador em showdow tem que proteger a sua mão enquanto a mão vencedora é determinada.”
 
A responsabilidade do dealer é de determinar a mão vencedora e enquanto este processo decorre, o jogador deve manter as suas cartas protegidas com um dedo ou um protector de cartas, sem obstruir a visão para as mesas, até que as fichas venham na sua direcção ou estejam a ir no sentido contrário. No caso de pote ganho, entender a situação como uma troca: mão vencedora pelo pote das fichas.
 
Regra 15: Virar cartas em all-in
 
“Todas as mãos serão viradas sem atrasos quando um jogador estiver all-in e estiver completa a fase de decisão de qualquer outro jogador a mesa. Não é possível fazer muck duma mão que esteja all-in ou tenha pago um all-in, as cartas têm que ser obrigatoriamente mostradas.”
 
Regra 16: Showdown sem all-in
 
Ou seja, todas as outras situações em que não há mais decisões a tomar por parte dos intervenientes. “Não há disputa em showdown se todos os jogadores menos um tiverem feito muck das suas mãos. O último jogador com cartas vivas ganha o pote e não tem que mostrar as suas cartas para receber o pote.”
 
Esta regra é das que mais variam entre organizações, sendo habitual os jogadores terem que virar as suas cartas para verem o pote ser-lhes entregue. A TDA entrega agora o pote ao jogador que seja o único com uma mão viva sem que este precise de mostrar a sua mão.
 
Regra 17: Pedir para ver a mão
 
“Se há uma aposta no river, qualquer jogador que faça call tem o direito inalienável de pedir para ver a mão do agressor (a mão que pagou para ver) se este ainda tem a mão ou as colocou na mesa.”
 
Se o jogador A aposta no River e o jogador B faz call, apenas o jogador B tem o direito de pedir para ver a “mão que pagou para ver”. Se as cartas forem identificáveis e este jogador pedir, as cartas serão viradas para cima.
 
Regra 27: Pedir tempo
 
1. “Qualquer jogador no evento pode pedir tempo.” Já não é apenas um jogador da mesa, dando aos jogadores das outras mesas a possibilidade de agilizar a acção na mesa ao lado.
 
2. “O director de torneio tem que aprovar o “tempo””. Isto é algo que já acontecia mas que agora está escrito nas regras. O pedido pode ser rejeitado se a direcção sentir que o jogador está a abusar da possibilidade.
 
3. A regra já deixava a possibilidade ao director de encurtar os 60 seg, mas a razão é agora clara: “para servir o formato do jogo e impedir paragens persistentes.”
 
Regra 29: No seu lugar
 
“Um jogador deve estar ao seu lugar quando a última carta da primeira órbita de cartas é entregue, para que a sua mão seja viva”
 
Depois da controvérsia da alteração neste ponto feito em 2013, eis que a TDA alarga em segundos o tempo que um jogador tem para se afastar da mesa.
 
Regra 37: Método de aposta: verbal e com fichas
 
“A: apostas podem ser verbais e/ou por empurrar fichas para a zona de aposta. Se um jogador faz ambas, a primeira é define a aposta. Se em simultâneo, uma clara e razoável declaração verbal tem precedência, doutra forma as fichas jogam.”
 
Regra 39: Declarações vinculativas / call com menos fichas fora de vez
 
“A: Declarações gerais na vez – como call ou raise – comprometem o jogador à decisão.”
 
Uma regra, agora explícita, do que já acontece nas mesas de torneio pelo mundo fora.
 
“B: Um jogador que faça call abaixo por declaração ou com fichas, é obrigado a fazer o call completo.”
 
Há, no entanto, circunstâncias em que o Director de Torneio pode dar a escolha ao jogador de desistir das fichas que comprometeu e largar a acção.
 
Regra 43: Quantidades de raise
 
“B: Sem informação esclarecedora, o valor de raise anunciado é igual ao tamanho total da aposta.”
 
Um “raise 5.000” é igual ao raise para 5.000 fichas. Para se fazer raise “de mais 5.000 fichas” tem que ser explícito na declaração verbal ou no total de fichas empurradas.
 
Regra 60: Mãos mortas acidentalmente
 
Uma nova e explícita frase nas regras: “Se uma “mão faltosa” puder ser identificada, continua em jogo.”
 
Esta nova frase ajuda a esclarecer o que acontece quando as cartas do jogador A são afectadas pelas cartas do jogador B. O jogador B faz fold e na acção as suas cartas tocam na mão do jogador A, confundindo as hole cards. Desde que identificável, a mão do jogador A está sempre viva.
 
O uso de um protector de cartas, pesado, ou da mão para proteger as cartas evita sempre este tipo de cenários.
 
Regra 66: Avisos, penalidades e desqualificações
 
“Jogadores fora da mesa ou em penalidade podem ser eliminados do torneio por perda de fichas”
 
Fica assim explícito que um jogador pode ser eliminado estando fora da mesa, sem que a sua mão faça showdown.
 
Consulta aqui as regras completas.
Partilha esta notícia

1 Comentário

CALLIBAN há 2 anos

Eh pá, isto tem de ser dito: "Regra 17: Pedir para ver a mão "Se há uma aposta no river, qualquer jogador que faça call em o direito inalienável de pedir para ver a mão do agressor (a mão que pagou para ver) se este ainda tem a mão ou as colocou na mesa." Que péssimo português, porra!!! Já nem falo da falta do "t" fazendo-nos ler "em" em vez de "tem" (se bem que mesmo isto é terrivelmente mau profissionalismo, já que não conseguem rever UMA REGRA simples mas importante) mas sim de todo o homicídio à língua! Esta regra é tão simples mas o Português é tão terrível que até a torna complicada! O parêntesis da regra é a cereja em cima do bolo para a coerência e sintaxe... Era só isto...boa tarde.



Deixe um Comentário

Os comentários efectuados por utilizadores não registados terão de ser aprovados por um moderador. Pode fazer Login ou, se ainda não é membro, Registar-se de forma a poder comentar sem moderação.